De Alan (2) (Português)

Caríssimos,

Estou sentado por um momento, pensando na sua luta debaixo dessa nuvem chamada depressão.  Me lembro que há 18 meses atrás, quando era fisicamente doloroso pensar; quando me esqueci de todos e de tudo que importava; quando eu não conseguia me vestir ou comer direito. Eram dias escuros e assustadores nos quais minha esposa, ao me ver sair, não tinha certeza se eu voltaria.

Eu era uma embalagem de pessoa, sem traço de existencia. Todas as áreas da minha vida pararam enquanto os olhos da minha mente se tornavam, lentamente, cegos. Meu mundo encolheu até o ponto onde só cabia minha dor. O tempo parecia se arrastar, desfocar e então desaparecer a medida que eu me tornava um fantasma. A dor interna se expandiu e se tornou constante, pensamentos e emoções me atacaram dentro da minha camara de tortura privada, mantendo-me numa horrenda pela única solução que pensei viável. Pensamentos de morte eram, paradoxalmente, reconfortantes e terríveis.  Pesquisei o suicídio e frequentemente, sonhei com a morte e despertava exausto toda manhã, se houvesse dormido.

Felizmente, suicídio não é algo fácil.  Senão, eu não estaria escrevendo isto agora ou vendo meus filhos crescerem.  Meu primeiro neto nasceu este ano e meu filho mais velho se casou.  Choro só de pensar que poderia ter perdido tudo isso.  Sou muito grato por estar vivo.

Agora sei que estes sentimentos destrutivos e sugadores de vida, bem como aqueles pensamentos que me afligiam, não eram verdadeiros. Aqueles pensamentos e sentimentos não me representam.

Tal como ao afastar-se de um grande objeto, nos ajuda a vê-lo melhor, encontrei lugares dentro de mim onde eu podia dar um passo atrás e "observar" o que acontecia em meu coração. Mente e corpo, gradualmente, puderam ver melhor a realidade.  Tempo, família, amigos e muitos fatores também ajudaram nesta clarificação.  Também tenho feito grandes mudanças na minha vida e estou animado com o fato de ainda ter muito o que aprender.

Inicialmente, me senti estranho; cuidando de mim mesmo e observando com interesse os pensamentos (com sentimentos acoplados) chegarem.  Me sentia como uma estação de trens observando os trens chegarem - trens de pensamentos, se preferir - e partirem.  E eu, optando por observá-los em vez de embarcar rumo ao nada.
 
Também aprendi que a dor dentro da depressão quer se tornar uma espécie de sabedoria. Sabedoria com um fraco desejo de conhecer e desfrutar o que o futuro, REALMENTE, reserva.  (Não o futuro que eu imaginava). Uma sabedoria que cresce para compensar qualquer dor que já tenha sofrido, por mais extrema que tenha sido.

Muitas coisas que ajudam um pouco se combinam para ajudar muito. O segredo é manter-se colocando um pé depois do outro; manter o folego e focar a energia nas escolhas que representam caminhos ativos e positivos para superação.  Dê o melhor de si para dar pequenos passos que te afastem do negativo e da  imobilidade.  Lembre-se que você não ficará no mesmo ponto eternamente, ainda que isso seja o que você sente.  Tente não ficar só ou ocioso.

Continue lutando meu amigo.  Por você, pelos seus entes queridos e pelo que o futuro te reserva.

Os meus melhores desejos,


Alan-marido e pai



Translated by Raimundo Wenceslau